Prémio Ataegina 2023

As submissões para o Prémio Ataegina 2023, o concurso nacional de contos de ficção especulativa, estão abertas.

Consulta o regulamento aqui.

O Prémio Ataegina, organizado desde 2018, tem como objectivo distinguir e dar a conhecer autores de ficção especulativa, seleccionando anualmente o melhor conto submetido a concurso.

Para além do prémio no valor de 50€, o/a autor/a vencedor/a poderá ter a oportunidade de ver a sua história publicada por um dos parceiros da organização Imaginauta, The Portuguese Portal of Fantasy and Science Fiction, Editorial Divergência ou Fórum Fantástico.

Nos últimos anos, a Imaginauta e o The Portuguese Portal of Fantasy and Science Fiction têm publicado a história vencedora numa edição bi-lingue. Em 2022, o conto vencedor de 2021 – Projecto: Mother – de Mónica Cunha foi incluído na antologia italiana “QUEL SIGNORE IN SALOTTO e altri racconti dal Trofeo RiLL e dintorni“.

Em 2023 o júri do Prémio Ataegina será composto por:

Artur Coelho
Cristina Alves
Jorge Borbinha (vencedor do Prémio Ataegina 2019)
Pedro Cipriano
Pedro Lucas Martins (em representação da Fábrica do Terror)
Rogério Ribeiro

Advertisement

Prémio Ataegina na RiLL World Tour

Nos passados dias 28 de Outubro a 1 de Novembro aconteceu o festival “Lucca Comics & Games”, o mais importante festival italiano dedicado a banda desenhada e jogos com uma afluência de mais de 300 000 pessoas.

Neste festival é entregue o prémio RiLL (Riflessi di Luce Lunare) ao melhor conto submetido para o mesmo, um pouco à semelhança com o Prémio Aegina.

Mas as semelhanças não acabam por aqui! O vencedor do troféu RiLL vê o seu conto publicado na colecção Mondi Incantati. Este ano, o vencedor foi Nicola Catellani com o conto Quel signori in salotto e a antologia com o mesmo nome foi lançada no passado domingo, 30 de outubro, na sala de reuniões “Giovanni Ingellis” do Lucca Games (pavilhões viale Carducci).

Esta publicação, publicada pela Acheron Books e patrocinada pela Lucca Comics & Games, não só conta com o conto vencedor, mas também os os seguintes 4 classificados e ainda com contos vencedores de concursos noutros países, tais como o Prémio Visiones e Concurso de Contos NOVA da África do Sul.

E é aí que entra o Prémio Ataegina! Em colaboração com a RiLL, o Projeto: Mother, o vencedor do Prémio Ataegina 2020, foi incluído nesta maravilhosa antologia internacional.

QUEL SIGNORE IN SALOTTO e altri racconti dal Trofeo RiLL e dintorni
Acheron
160 páginas, tamanho de bolso 15 x 21 cm
Código ISBN: 9791254980989
Ilustração da capa: Valeria De Caterini
preço da capa: 10 euros
Preço especial RiLL: 10 euros (portes incluídos)


A antologia pode ser comprada a partir desta ligação.


Histórias incluídas:

• as histórias vencedoras do 28º Troféu RiLL :
Aquele cavalheiro na sala , de Nicola Catellani (vencedor) mortos-vivos , de Marta Bonaventura (segundo lugar)
O funeral do assassino, de Nelson Nazzicari ( terceiro lugar)
Natureza morta, de Riana Rocchetta (quarto lugar)
O pomar, de Giorgio Smojver (quinto lugar)

• as histórias vencedoras de concursos literários estrangeiros ( RiLL World Tour ):
Acque , de Bibiana Camacho (vencedora do Prémio Visiones 2022, Espanha; tradução: Serena Valentini)
Projeto: MOTHER, de Monica Cunha (vencedor do Prémio Ataegina 2020, Portugal; tradução: Emiliano Marchetti)
Animal Parade , de Dani Ringrose (vencedor do Horror Flash Fiction Competition 2021, Austrália; tradução: Daniele Pagliuca)
Beyond the Bay , de Shameez Patel Papathanasiou (vencedor do Concurso de Contos NOVA 2021, África do Sul; tradução: Francesca Garello)

• as histórias vencedoras do SFIDA 2022 :
Livro das chuvas , de Cristiano Montanari
O homem lince , de Andrea Galla
Loop , de Alessandro Izzi
O feitiço , de Nicola Catellani

Clube de Leitores de Marvila – Novembro 2022

Na sessão de 19 de Novembro (às 15h na Biblioteca de Marvila, como sempre), o tema é Geração Z e o convidado Pedro Rodrigues.

Vamos falar de quais são os livros da geração Z, quais os temas que querem ler e sobre os quais querem escrever. Como é que as editoras estão a responder a estes novos leitores?

Não é preciso ler nenhum livro em específico. O espírito do Clube de Leitores de Marvila é ser um espaço de partilha do que já lemos, do que estamos a ler e do que queremos ainda ler.

Pedro Rodrigues nasceu a um de Março de mil novecentos e oitenta e sete na Cova-Gala, Figueira da Foz. É autor do blogue “Os Filhos do Mondego” . Tem textos publicados na revista Algarve Mais, na revista Via Latina, na revista Con Textos e no jornal Portuguese Times (New Bedford, Massachusetts). Foi orador no TEDxCoimbra 2012, na actividade “Mergulhar nas Palavras”, no II Encontro Nacional de Estudantes de Letras, na Semana Cultural da Faculdade de Psicologia da Universidade de Coimbra e no evento “Conhecestes? Com Pedro Rodrigues” (ESTSC), bem como on stage host no TEDxYouth@Coimbra. O seu texto “Menu Amor” recebeu uma menção honrosa no concurso “Textos de Amor” do Museu Nacional da Imprensa. Em 2017, foi distinguido como Escritor Revelação, na VI Gala da Figueira TV. Em 2019 lançou o romance DEVE SER PRIMAVERA ALGURES, em 2020 o livro de contos ALICE DO LADO ERRADO DO ESPELHO e, em 2022, o seu mais recente romance AMOR DE PECHISBEQUE. Actualmente, trabalha como freelancer na área da tradução, copywriting e criação de conteúdos.

Ao comprar livros através do nosso link, estás a contribuir com uma pequena percentagem (sem custo adicional para ti) para apoiar o projeto Imaginauta.

It’s Alive! 2022

A quarta edição da maratona de escrita criativa It’s Alive! vai acontecer no próximo dia 12 de Novembro de 2022 no Palácio Baldaya.


Inscreve-te aqui


Mas o que é o It’s Alive! ? É uma maratona de escrita onde vários autores se reúnem para cada um, numa só sessão de escrita, criar um conto de ficção especulativa.

O It’s Alive! é uma homenagem a Mary Shelley, a mãe da ficção científica, que em 1816, durante o chamado”Ano sem Verão“, decide aceitar o desafio de Lord Byron para escrever uma história de terror, dando vida ao “Frankeinstein, ou o Prometeu Moderno”.

Mas antes da maratona começar, temos ainda algumas surpresas para todos os escritores e leitores de ficção científica, fantasia e terror.

Programa

14h30 – Assinatura do protocolo de empréstimo da Coleção Imaginauta e inauguração da estante na Biblioteca Liberty Seguros.

Com os livros doados pelos visitantes do Festival Contacto 2022 e pela Imaginauta iremos criar uma estante inteira da Biblioteca Liberty Seguros dentro do Palácio Baldaya completamente dedicada à ficção especulativa.

Se quiseres ser solidário/a traz um livro também e ajuda-nos a criar um local onde novos leitores (ou fãs  inveterados) podem encontrar literatura fantástica e de ficção científica. Aceitam-se livros em boas condições dentro do género escritos em Português.

15h00 – Convívio literário

Tertúlia informal aberta a toda a comunidade com a participação dos escritores que vão entrar na maratona de escrita. Vem conhecer pessoas novas ou rever velhos amigos e diverte-te com as actividades que a Imaginauta preparou para ti, desde fazer um Cadáver Esquisito a descobrir como seria a tua estadia com o Lord Byron.

16h00 – Maratona de escrita It’s Alive! (vagas limitadas – sujeito a inscrição prévia)

Inscrições aqui (custo 5€).

O desafio é: escreve um conto de ficção especulativa antes da hora de jantar na companhia de outros autores entregues à mesma tarefa.

Durante a maratona estarão disponíveis acepipes (bolachas, fruta, etc…) e bebidas (água, café, chá…). Os participantes deverão trazer o seu material de escrita (computador, carregador, cadernos, papel, canetas, etc). Aconselhamos que tragam os computadores com a carga total.

Anúncio Vencedor Prémio Ataegina 2022

No terceiro e último dia do Fórum Fantástico 2023, na mesma cerimónia que entregou os Prémios Adamastor e Prémio António de Macedo, foi anunciado o conto vencedor do Prémio Ataegina 2022.

O vencedor foi Guilherme Correia, com o conto “As Flores que Nascem no Deserto”. Em breve o conto será publicado e estará disponível em eventos da Imaginauta.

Ao contrário dos vencedores dos anos anteriores, Guilherme não é um autor estreante e a sua banda desenhada “Missão Nova Vivo”, ilustrada por Isabel Nobre, pode ser encontrada no livro Comandante Serralves.

Do nosso lado, esperamos que esta distinção, dada pela Imaginauta, Editorial Divergência, Fórum Fantástico e The Portuguese Portal of Fantasy and Science Fiction que motive este autor a continuar a escrever dentro da ficção especulativa.

Clube de Leitores de Marvila – Outubro 2022

Na sessão de 15 de Outubro (às 15h na Biblioteca de Marvila, como sempre), o tema é Línguas e a convidada a Ana Cristina Rodrigues.

Vamos falar de livros em diferentes línguas, em línguas fictícias ou até sobre linguagem. E, claro, vamos também falar do Português que o Atlântico tanto separa como une.

Não é preciso ler nenhum livro em específico. O espírito do Clube de Leitores de Marvila é ser um espaço de partilha do que já lemos, do que estamos a ler e do que queremos ainda ler.

Ana Cristina Rodrigues é escritora, historiadora e tradutora. Apaixonada por Ficção Científica e Fantasia, já publicou dois romances e mais de cinquenta contos, além de ter incentivado e ajudado autores iniciantes. Vive por, para, com e entre livros, fazendo doutorado sobre a história da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, onde trabalha na formação de novos leitores.

À Sombra da Leitura a todo o vapor!

No passado dia 16, 17 e 18 de Setembro a Imaginauta esteve presente no Festival Vapor através da instalação literária À Sombra da Leitura.

Um espaço de descanso e descoberta do melhor que se faz em literatura curta de ficção especulativa em Portugal. Em adição aos contos da Colecção Barbante, que normalmente podem ser encontrados, a Imaginauta recuperou ainda de antigos Almanaque Steampunk três bandas-desenhadas steampunk ilustradas por Rui Alex e com palavras de Rui Leite e AMP Rodriguez.

Contos de Terror – Serões nas Bibliotecas de Lisboa 2022

No passado dia 2 de Setembro a Biblioteca de Marvila encheu-se corajosos visitantes para participar numa leitura imersiva de contos de terror.

Atrás da luz vermelha do Guia, o grupo seguiu de sala em sala, onde em cada uma os esperava um novo conto, uma nova história de arrepiar e acalentar os pesadelos de cada um.

A palavra foi rainha e carrasco num serão único que ainda antes de acabar já deixava saudades. “Espero que haja de novo para o ano!”, disseram-nos. Obrigado a todos os que vieram e um especial agradecimento à Biblioteca de Marvila que acolhe as nossas ideias de promoção da literatura de ficção especulativa.

O evento foi organizado pela Imaginauta no âmbito dos Serões nas Bibliotecas de Lisboa de 2022 que ofereceu uma programação de música, conversas, cinema, jogos, histórias contadas e espaços abertos ao convívio para toda a família todas as quintas e sextas até às 22h, nas Bibliotecas de Alcântara, Marvila, Orlando Ribeiro e Palácio Galveias.

Os contos da autoria de Ana Cláudia Dâmaso, António Bizarro, Mário Coelho (lido por André Sobral) e Pedro Lucas Martins representam o trabalho de uma nova geração de autores portugueses de literatura negra.  

De cima para baixo: André Sobral, Carlos Silva (Imaginauta), António Bizarro, Ana Cláudia Dâmaso, Rita Pires (Guia – Imaginauta) e Pedro Lucas Martins.

O custo de um livro

No artigo abaixo pretende-se dar umas linhas gerais do que se tem de ter em consideração quando se decide o preço de um livro.

Um aviso à navegação: os valores que irão ser partilhados não são, nem pretendem ser, o padrão da indústria, ou uma verdade indiscutível. Cada caso é um caso e melhores ou piores condições podem ser negociadas, dependendo das especificidades do livro, editor, livraria ou distribuidor. O seguinte artigo corresponde à visão pessoal de Carlos Silva. Aceitam-se sugestões de correcção ou melhoria.

Primeiro de tudo, há três conceitos que irão ser usados neste artigo que é preciso definir:

  • Custo – Quanto é que se tem de pagar para que o livro seja produzido.
  • Preço (P.V.P.) – Preço de Venda ao Público. Quanto é que o leitor terá de pagar para comprar o livro.
  • Valor – A importância (por vezes difícil de definir em euros) que o leitor atribui ao livro. Será também aqui utilizado como a importância que o leitor está disposto a gastar para comprar o livro.

Num mundo ideal, para o livro ser economicamente viável per se, o custo terá de ser menor que o preço, que por sua vez é menor, ou muito próximo do valor. Mas nem sempre um livro é viável economicamente por si só; por vezes está inserido num plano editorial a longo para para aquele autor ou coleção, onde a viabilidade se mede no total dos vários títulos vendidos.

Lei do Preço Fixo

Uma nota importante acerca do P.V.P. é que em Portugal o preço de um livro está sujeito à “lei do preço fixo”. Esta lei pretende proteger os pequenos livreiros da capacidade negocial das grandes livrarias de impor grandes descontos. Muito resumidamente, a Lei do Preço Fixo estipula que durante os primeiros 24 meses do livro no mercado este tem de ser vendido com o mesmo P.V.P. em todo o lado, só podendo ter um desconto até um máximo de 10%. Em ocasiões particulares (e.g. feiras do livro devidamente comunicadas) o desconto pode ir até 20%. Para conhecer mais a fundo esta lei, sugerimos a leitura do manual do IGAC.

Como é a anatomia do P.V.P. de um livro?

Vamos assumir um livro com um P.V.P. de 20€.

Os livros têm (actualmente) um IVA de 6%. Isto significa que dos 20€ que o leitor paga pelo livro, 1,2€ são entregues ao estado. Restam assim 18,8 €/livro.
Desses 18.8€, cerca de 40% a 60% (vamos assumir o extremo 60%) são destinados à livraria e ao distribuidor (numa distribuição 20/40, 30/30, 40/20, dependendo do acordo entre os dois). Quando um editor vende diretamente a partir do seu site ou numa feira do livro pode evitar ter de partilhar o valor do P.V.P. com o distribuidora e livreiros, mas aí entram custos de envio ou de participação nos eventos.

Grandes grupos editoriais têm as suas próprias distribuidoras (um negócio que só faz sentido quando se tem um grande catálogo para distribuir, beneficiando da economia de escala) o que lhes dá mais poder nesta “anatomia do P.V.P.”, incluindo uma maior capacidade negocial com as livrarias.

Um arranjo pouco comum em Portugal é certos livros serem exclusivos de uma livraria, ou de uma cidade. Isto seria interessante pois permitiria ao editor poupar do lado da distribuição, ao mesmo tempo que se aumentava a diferenciação da oferta das livrarias. Porém, isto seria feito a custo do alcance do livro, que num país de tão poucos potenciais leitores pode não ser viável.

Sobram então 40% do P.V.P. (fora IVA) para o editor, ou seja 7,52 €/livro. Deste valor, entre 5% a 15% (vamos assumir 10% – 1.8 €/livro) é normalmente destinado a royalties, ou seja, o valor de cada livro que é destinado ao autor. Maiores royalties são normalmente acordadas com autores best seller ou em segundas edições, altura pela qual normalmente os custos fixos já foram pagos.

Depois de pagas as royalties, restam 30% (5.64€/livro) para cobrir os custos de produção do livro, incluindo overheads (i.e. custos associados ao negócio em si como salários dos trabalhadores, fotocópias dos contratos, papel higiénico para o WC da sede da editora…) e a margem de lucro.

Para um livro feito em auto-edição é nestes 30% que tem de caber os custos de revisão, paginação, capa, impressão, marketing, entre outros.

Imprimir um livro

Por esta altura alguns estarão a perguntar: mas então quanto fica realmente imprimir um livro?

A título de exemplo, em impressão digital (parecido às impressoras que temos casa), uma tiragem de 200 exemplares de um livro em formato A5 com badanas, a preto e branco, com 350 páginas fica a cerca de 4 €/livro (Esta estimativa foi feita usando apenas um fornecedor-tipo. É recomendado pedir vários orçamentos para comparar preços, especialmente com a inflação que se tem sentido nestes últimos meses). Para grandes tiragens a impressão em offset (técnica de impressão usando rolos com tinta) consegue-se ainda custos por exemplar mais baixos.

Impressão DigitalImpressão Offset
Apropriado para tiragens pequenas/médias. A partir de uma certa quantidade o preço/livro torna-se constante.Apropriado para grandes tiragens. Demasiado caro para pequenas tiragens.
Boa qualidade de impressão (dependendo do equipamento)Óptima qualidade de impressão com cores consistentes entre o ficheiro digital e o livro final e entre cópias do mesmo livro.
Rapidez de produção a pedido.Necessita de uma preparação mais longa e as tintas levam tempo a secar. No entanto, em grandes tiragens permite fazer mais livros em menos tempo.

Ou seja, este exemplo, os custos de impressão representariam cerca de 21% do P.VP. (excluindo o IVA).

É importante nesta fase deixar uma palavra de atenção acerca das gráficas. Ao longo destes anos tenho tomado conhecimento de exemplos de autores que decidiram enveredar pela auto-publicação que ao se dirigirem às gráficas foram apresentados com um conjunto de opções premium para os seus livros (e.g. gramagens maiores, capa dura, plastificações especiais, letras em relevo e metalizadas, lombadas cosidas, sprayed edges, etc…).

A tentação é grande, afinal não há dúvida nenhuma que alguns destes extras contribuem para um muito melhor aspeto do livro ou prolongamento da sua longevidade. Nesta fase é importante perceber se o aumento de custo irá ser acompanhado por um aumento de valor percepcionado pelo leitor. Um aumento do custo de impressão em 0,5 €/livro neste exemplo corresponde a um aumento de cerca de 2,5 €/livro no P.V.P. (excluindo o IVA).

Depósito legal

Todos os livros publicados em Portugal devem enviar uma cópia (ou 11, se a tiragem for superior a 100 exemplares, ou superior a 300 exemplares no caso das edições de luxo) à Biblioteca Nacional. O envio destes livros é da responsabilidade da gráfica, se esta for portuguesa, ou do editor, caso a impressão seja feita no estrangeiro. É usual o número de depósito legal constar da ficha técnica do livro, pelo que este deve ser requerido antes da impressão dos livros.

Mais informações poderão ser encontradas no site da Biblioteca Nacional.

ISBN – International Standard Book Number

Para ajudar à catalogação e especialmente caso o livro entre na distribuição geral é também útil requerer o ISBN (número de livro padrão internacional). Trata-se de um número com 13 dígitos único para cada livro e que identifica o país e editor. Em Portugal é a APEL quem emite e gere os ISBN cobrando entre 4,5 € a 15 € por ISBN (dependendo da quantidade de números comprados). Só é necessário um ISBN por título. Na maior parte dos casos, o código de barras de um livro corresponde ao seu ISBN.

Custos fixos

No fim, neste exemplo, sobram 9% do P.V.P. (excluindo o IVA) para todos os outros custos e margem de lucro do editor. Uma parte destes custos são custos fixos. Ou seja, custos que caso sejam impressos 2 livros ou 2 milhões não se alteram, como o custo de revisão, custo do ISBN, ou o custo da capa.

Para se fazer uma boa decisão comercial acerca do P.V.P. é necessário fazer uma estimativa de quantos livros se espera vender e por que canais (um livro vendido online do editor/autor para o leitor tem uma margem de lucro muitor maior do que um livro vendido através de uma livraria fornecida por um distribuidor).

Esta estimativa é também útil para perceber qual a tiragem a fazer. Assumindo que se espera vender 1000 exemplares poderá ser uma melhor opção a impressão offset do que impressão digital; mas caso a estimativa esteja errada, acaba-se por ficar com um valor total gasto em impressão maior sem hipótese de ser recuperado em vendas.

Como escolher o preço de um livro?

Estando todos os custos listados e as vendas estimadas, o preço mínimo por livro não será difícil de calcular. É depois do primeiro valor estimado que se verifica a necessidade de ajustar alguma das parcelas do P.V.P., seja reduzir os custos de impressão, seja investir numa campanha de marketing que irá aumentar o custo da tiragem, mas trazer mais vendas.

Por exemplo, uma capa apelativa pode ser mais cara, mas se trouxer mais leitores, é um custo fixo que pode acabar por se diluir no número de cópias vendidas.

Por fim, é necessário ter em atenção que o preço não é apenas um valor técnico, mas também uma ferramenta de marketing. Preços baixos poderão tornar o livro acessível a um número maior de leitores, ou apresentar um baixo risco para alguém experimentar um autor novo; por outro lado poderá também sinalizar ao leitor que o livro tem um baixo valor (mesmo sendo da mesma qualidade ou até melhor que outros livros com preços mais altos). É necessário perceber como é que o P.V.P. do livro em causa se posiciona em relação aos competidores e como se equipara em termos de valor.

Serão de Contos de Terror

No próximo dia 2 de Setembro às 21h00 na Biblioteca de Marvila temos preparado um serão de contos de terror onde a palavra é rainha e carrasco.

4 histórias de terror nunca antes ouvidas, escritas de propósito por 4 autores portugueses para esta evento, serão lidas ao vivo para aqueles que se atreverem a vir.

Uma experiência imersiva e única não recomendada a corações sensíveis.


Contos de:

Ana Cláudia Dâmaso
António Bizarro
Mário Coelho
Pedro Lucas Martins


Leituras por:

Ana Cláudia Dâmaso
André Sobral
António Bizarro
Pedro Lucas Martins


Entrada livre.
Para maiores de 16 anos.
Recomenda-se que se chegue 15 minutos antes do começo do serão.