Amanhãs que Cantam

Portugal na actualidade, um país sob um regime comunista de inspiração soviética desde 1968, o ano em que Salazar caiu da cadeira em plena corrida à Lua.

É este o tema que propomos para a antologia “Os Amanhãs que Cantam”.

Não pretendemos entradas de enciclopédia, nem tratados de mundicriação. Procuramos histórias interessantes povoadas de personagens com que nos possamos relacionar.

O regime comunista português é bom? É mau? É neutro? Cabe a cada autor contar a sua versão. Podem ser histórias utópicas, distópicas ou um misto das duas abordagens. Os contos não terão de ser concordantes, são diferentes possibilidades face a um passado comum, como se diferentes universos paralelos.

Cronologia até à actualidade

– Partes omissas poderão ser completadas pelos escritores nos seus contos.

Início 1968 – Em plena Guerra Fria, a URSS invade a Checoslováquia. Álvaro Cunhal apoia esta invasão na convenção comunista da Europa ocidental.

Maio 1968 – Um movimento anarquista de estudantes provoca uma greve geral em França, aos quais se juntam os movimentos comunistas dos trabalhadores. O protesto pressiona De Gaulle a demitir-se.

1 Agosto 1968 – Salazar cai da cadeira.

Novembro 68 – Dá-se uma revolução em Portugal. Vencem os pró-soviéticos. Com esta vitória, Portugal torna-se um estado apoiante da URSS. Álvaro Cunhal é nomeado secretário-geral do PCP pelo Comité Central do Partido Comunista, sendo este o único partido reconhecido em Portugal.

A guerra colonial é terminada. As colónias ganham independência, mas tornam-se estados satélites de Portugal, juntando-se à COMECON. É fundada a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas Portuguesas (URSSO).

É iniciada uma reforma agrária e industrial com expropiação total dos terrenos e grandes empresas. A economia planeada e desenvolvimento social disparam a qualidade de vida do cidadão trabalhador.

As forças Americanas são expulsas da base das Lajes. Lá é construído um porto espacial, onde se inicia a campanha espacial da URSSO.

O brasão é retirado da bandeira nacional, considerado um símbolo do antigo feudalismo, e substituído pela foice e pelo martelo.

1969 O programa Luna é um sucesso, sendo o Luna 25, a primeira missão pilotada por humanos a aterrar na lua em 1969. Alguns meses depois os EUA conseguem enviar e alunar a Apolo 13, sendo esta a última missão do programa da NASA. Os Americanos, de ora em diante, incapazes de fazer alunagens, reforçam o programa de lançamento de satélites em torno tanto da terra, como da Lua, aumentando o clima de tensão entre os dois países.

1970 – A Lua é declarada como pertencente a todos os trabalhadores da Terra.Centenas de Lunokhod são enviados nos anos seguintes, preparando a Lua para as primeiras colónias soviéticas.

No resto do mundo – Os EUA faliram, resultando numa falha clara do capitalismo como sistema. Com o falhanço do capitalismo e dos EUA, a URSS prospera.

1977 – O massacre de Atocha incendeia a revolta em Espanha. O partido comunista é legalizado em Espanha. O PCE e PSOE unem-se, graças aos ideais marxistas conjuntos e formam um partido comunista único. Espanha alinha-se com a URSS.

1989 – O lado ocidental de Berlim degenera, corrompida pelos valores selvagens do capitalismo. Num acto de compaixão e altruísmo, o muro de Berlim é derrubado pelos Soviéticos, de modo que os cidadãos do lado ocidental pudessem fugir para o lado oriental, unificando a Alemanha.

2017 – A revolução continua em curso. Portugal segue em frente, rumo aos Amanhãs que Cantam.

Possíveis inspirações

Estaline e os Cientistas
Super-Homem: A Herança Vermelha
Manifesto Comunista
Quando Portugal Ardeu
Comunismo e o Nacionalismo em Portugal
Crónicas do Máña 

Regulamento

1) Este regulamente refere-se a um concurso para seleccionar, entre os contos enviados, os que irão integrar a antologia Amanhãs que Cantam, organizada pela Associação Épica e Imaginauta.

2) Poderão candidatar-se todos os autores singulares, maiores de idade e de nacionalidade portuguesa. Membros do júri e da organização do concurso e respectivas famílias não poderão concorrer.

3) As obras concorrentes serão entregues por email para correio@imaginauta.net. As obras deverão ser entregues em formato .doc, .docx, ou .odt . O texto estará em tamanho 12, com o tipo de letra Times New Roman ou similar, espaçamento entre linhas 1.5. Número máximo de palavras é 10 000, não havendo limite inferior. No corpo do email deverá estar explícito o título do conto e nome do autor.

5) Serão admitidas a concurso todas as candidaturas que obedeçam ao formato exigido no ponto 3 e que sejam enviadas até 31 de Janeiro de 2018.

7) Os contos serão selecionados pela Imaginauta e pela Associação Épica e integrarão a antologia Amanhãs que Cantam.

8) Os autores dos contos seleccionados cedem à Imaginauta e à Associação Épica o direito de a explorar comercialmente o conto no contexto da antologia citada, em futuras reimpressões desta e/ou utilizá-lo em futuras antologias e/ou edições. Os autores receberão pagamento contrapartidas equivalentes a 10% do preço de capa a dividir pelos autores participantes na edição em causa.

9) Todas as questões omissas ou dúvida de interpretação serão decididas pelos organizadores da antologia

14) O envio de contos pressupõe a aceitação do presente regulamento.

Anúncios