Museu da Lua

João Barreiros (o autor), Carlos Silva e Cristina Alves a ler o conto Efemérides, acerca de um futuro alternativo em que Kennedy não morreu e a Lua foi colonizada com tecnologia dos anos 60, para horror da personagem principal, Russel.

Esta foi uma iniciativa Imaginauta e The Portuguese Portal of Fantasy and Science Fiction, em conjunto com a Câmara Municipal de Oeiras e British Council para promover o Museu da Lua, uma obra de arte que consiste numa lua insuflável suspensa, enquadrada num jogo de luzes e som.

O conto Efemérides foi publicado pela primeira vez em 1999 pelo jornal Público, ressurgindo uma segunda vez na antologia Se Acordar Antes de Morrer, versão esta que foi a usada na leitura.

Da direita para a esquerda: Carlos Silva, Cristina Alves e João Barreiros

E serviu ainda este evento para encontrar alguns fãs da Imaginauta e do João Barreiros, como o Leonardo Duprates, que trouxe consigo o exemplar do Crazy Equóides que encontrou na Livraria Lello do Porto e que assim o personalizou com um autógrafo do autor.

Museu da Lua

Na celebração dos 50 anos da chegada do Homem à Lua, o Município de Oeiras irá instalar nos jardins do Palácio do Marquês de Pombal uma réplica de 7 metros de diâmetro do nosso satélite natural.

Nos próximos dias 5 a 8 de Julho a obra de Luke Jerram, que anda em digressão pelo mundo desde 2017 poderá ser apreciada de maneira gratuíta, sempre acompanhada por uma programação cultural.

A Imaginauta estará presente no dia 6 de Julho. Pelas 21.00, poderá sentar-se nos jardins a ouvir um conto de ficção científica da autoria de João Barreiros, sobre como seria a colonização da lua com a tecnologia dos anos 60. Será lido a três vozes, pelo autor, por Carlos Silva e Cristina Alves.