Micro-ficção 1

Um micro conto no universo de Serralves, para inspirar todos os participantes do concurso de RPGs que estamos a promover AQUI.

O último mestre violinista

       Uma nota aguda encheu o túnel reforçado com betão avermelhado, cinquenta e seis quilómetros abaixo da superfície. Uma dezena de camadas de rocha, escória, ferro, túneis e casernas abandonadas separavam o emissor do receptor mais próximo. Só o músico ouvia a triste canção que o último Stradivarius do universo tinha para cantar.

                O violinista tocava um último concerto, em honra dos camaradas de luta que haviam sido presos naquela manhã sob a acusação de conspirarem contra a Aliança Humana. Como se fosse conspirar o simples desejo de serem livres. Em breve viriam mais soldados da Terra, aquele planeta que os havia botado ali e só se lembravam deles quando o preço do minério subia.

                As lágrimas enchiam os olhos e rolavam pelo rosto do violinista, mas nem assim a imagem da recém-criada bandeira marciana a ser rasgada lhe saía da mente. Uma revolta falhada, um grito do Ipiranga afónico que decerto acabaria em sangue. Não devia faltar muito até os soldados encontrarem os esconderijos dos independentistas. Quantos saberiam no planeta que eles se escondiam nas minas desactivadas? Qual deles seria o primeiro a denunciá-los?

                Algo bateu na porta de aço reforçado, amolgando-a. Eles estavam a chegar. O violinista não parou de tocar. Não temia pela sua vida, não era isso que os soldados vinham buscar. Era o que tinha entre mãos que queriam ver destruído. Para eles, uma ofensa cultural, um motivo de divisão dos povos da Terra, uma testemunha de um passado vergonhoso; para o violinista, o último resquício de beleza que veriam.

                Activou a bomba e esperou que os soldados entrassem.

Anúncios

Recursos para criadores

Para o “Concurso de criação de um RPG” os criadores irão ter de se inspirar no universo do Comandante Serralves, descrito no livro “Comandante Serralves – Despojos de Guerra“, para criar uma história original com personagens originais.

Para isso, a Imaginauta irá disponibilizar gratuitamente a todos os participantes que nos enviarem um email para correio@imaginauta.net (como descrito no regulamento) um conjunto de conteúdos para que possam criar o seu jogo.

O objectivo deste concurso não é obter um jogo que permita “jogar uma história do livro já publicado”, mas sim mergulhar no universo com uma história empolgante, num ponto da cronologia, preferencialmente, ainda não descrito.

Assim, os materiais que iremos dar incluem:

– O conto “Métodos de Evasão”
– Uma cronologia com os principais eventos entre o fim da guerra contra os Pahoehoentes e os eventos descritos no livro.
– Um pequeno guia de conceitos importantes no universo, com algumas imagens originais.

Qualquer outra dúvida, poderão esclarecê-la através do nosso endereço de email.

Concurso de criação de RPG

O projecto Serralves foi criado tendo em vista a expressão deste mundo em diversos suportes e, não é segredo para ninguém, o Imaginauta adora RPGs. Disto nasceu a vontade de ver criado um jogo para o Comandante Serralves, que nos ajudasse a promover a literatura na comunidade jogadora e os jogos de personagem na comunidade de leitores.

Ao mesmo tempo, o famoso sistema grátis FATE acabou de ser financiado através de uma campanha de financiamento comunitário no site Catarse, trazendo para a língua portuguesa um sistema de regras simples e flexíveis que cai que nem uma luva (em espírito e tom) no universo que criámos para as aventuras do Comandante Serralves.

896b5902545a1d8f92ef4fa355768734

Estavam assim reunidos os elementos para a Imaginauta (PT), o Grupo de Roleplayers de Lisboa (PT) e a Solar (BR) promoverem um concurso de criação de cenários de RPG.

Pretende-se um “one-shot” de FATE, num cenário com personagens pré-feitas e uma situação interessante que permita ao jogador mergulhar no universo do Comandante Serralves. O melhor jogo será premiado.

O concurso está aberto a todos os falantes de português, tenham lido ou não o livro que a Imaginauta editou do Comandante Serralves.

Poderão ler o regulamento AQUI